23.7.13

Frio em Guarapuava

Foto: Jussara Souza.
A semana começou rigorosa em Guarapuava e em toda a região Centro-Oeste, assim como a maior parte do Sul do Brasil. O Rio Grande do Sul e Santa Catarina amanheceram com neve em várias de suas cidades na segunda-feira, 22 de julho . Até mesmo o Paraná esteve sujeito ao fenômeno.
Guarapuava, muito conhecida por suas baixas temperaturas, disputa com Palmas o título de cidade mais fria do Estado. Em ambas  nevou no dia 22 de julho. Segunda-Feira começa marcando até 0º C, e, perto das 21 horas, a neve chega para embelezar a cidade de Guarapuava.
O povo recebeu com alegria as três horas de neve, e muitos se reuniram no Parque do Lago para brincar e montar bonequinhos. O Parque sempre é lembrado por suas manhãs cheias de neblina e sua paisagem quase europeia.
O frio embeleza a cidade, mas torna a vida de muitos moradores mais complicada, pois grande parcela dos habitantes vive da agricultura, a geada acaba com muitos cultivos, dificultado a renda de muitas famílias e fazendo os preços de produtos perecíveis nos mercados subirem. No fim de semana, 20 e 21 de julho, casas foram destelhadas em diversos pontos da Cidade, desabrigando famílias no Morro Alto e na Vila São João.

Em Julho de 1975, houve sua mínima absoluta: -12º C, ainda 10 anos antes há o registro da ultima neve na cidade, mas todos os anos, o inverno se faz presente na vida dos guarapuavanos.

18.7.13

Guarapuava: dias frios e comida gostosa.


O inverno é muito caracterizado e bastante intenso em nossa região. Em Guarapuava, ocorrem baixas temperaturas e muito vento e chuva nessa estação. Assim, não há como fugir das roupas quentes e das comidas que aquecem e nos dê energia.
O Paraná foi ocupado por uma infinidade de imigrantes, sejam eles italianos, japoneses ou alemães. Porém, a maior influência no estado veio da imigração de poloneses e ucranianos, que além de alguns costumes, trouxeram ao Paraná muitos de seus pratos típicos. No inverno as pessoas ficam mais em casa, praticam menos atividade física e acabam comendo mais. Pinhão, massas, bebidas quentes... A região Centro-Oeste paranaense necessita de diferentes pratos nessa época do ano. Há em Junho, a festa de Queijos e Vinhos recebe o frio em trajes de gala. As típicas festas juninas se servem com muito quentão e pinhão.
Na cidade há disques-sopas e até mesmo sorveterias adotam o prato como cardápio, para satisfazer o grande público. Os quiosques das universidades e as padarias aumentam a demanda de café e chocolate quente.

Guarapuava fica mais charmosa no inverno..As pessoas ficam mais próximas, há mais calor humano, os abraços são mais demorados, os dias de sol são prazeres raros e bate aquela vontade de ficar entocado em  casa com quem a gente ama vendo um filminho, batendo papo e se deliciando com as comidas típicas de inverno. 

13.7.13

Cultivo, cultura, cuidado...

Cultivar ações, crenças e modos de pensar. Do latim, colere, cultivo, é originada a palavra “cultura”.  Pode ser conceituada como “cuidado”, o cuidado de compartilhar as tradições e de mantê-las, conservando a identidade de um povo.
A utilização da palavra começou relacionada à agricultura, referindo-se ao conjunto de ações necessárias para a conservação da terra e de suas produções, mas foi adaptada para os conceitos sociais, traduzindo a tentativa de perpetuação de comportamentos.
Antes denominada “erudita” ou “popular”, a cultura se dividia entre as classes, sendo direcionada para as classes dominantes de forma mais conceitual e passava para o povo de forma mais bruta, como um esboço do que acontecia em exposições caras e teatros. Hoje, com a facilidade proveniente dos novos meios de comunicação e coleta/divulgação de informações, o acesso à cultura também foi facilitado. 
Por meio da internet, as novidades culturais de todos os lugares do mundo se concentrem em uma simples pesquisa, fazendo com que o erudito e o popular se dissolvam e misturem, e cheguem a públicos distintos, barata ou gratuitamente.
Essa mistura permite que as pessoas tenham contato com outras realidades, outros modos de ver o mundo e de vivê-lo. Novas ideias poderiam parecer agressivas para a conservação de tradições, se a cultura não se adaptasse às novas condições.
Atualmente, a cultura pode ser denominada como dinâmica, e se manifesta das mais diversas formas: na maneira de vestir, falar, pensar, nas danças e canções, nos métodos de ensino e aprendizagem, nos preconceitos, nas preferências... Tudo o que relaciona hábitos sociais, relaciona também a cultura.

Texto e foto: Camila Germano Barp.

7.7.13

Quinta Nobre: Show de Blues


No dia 27 de junho, aconteceu no Auditório Francisco Contini mais uma edição da Quinta Nobre. Esse evento ocorre uma vez a cada semestre, é promovido pela UNICENTRO  e tem apoio da Diretoria da Cultura e da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura. O mote da vez foi o estilo musical Blues.
               O Blues é um estilo musical que nasceu nos Estados Unidos e foi desenvolvido pelos escravos libertos de lá. As músicas eram, inicialmente, religiosas e sempre sugeriam a libertação dos escravos ou os direitos dos negros de uma forma generalizada. Os principais instrumentos utilizados na execução das músicas é a gaita de boca, a guitarra e o banjo, há também muito piano e outros instrumentos de sopro, como o saxofone.
               O festival contou com onze bandas que apresentaram trabalhos próprios e também tocaram músicas de artistas consagrados do estilo, como Robert Jhonson e Willie Dixon, que foram inspiração, mais tarde, para muitas bandas conhecidas, como Led Zeppeling e Rolling Stones. Entre as bandas estava Angel’s Som Escola de Música, Clayton Luiz da Silva e Kaio Miotti, Colégio Estadual Ana Vanda Bassara, Cyntia e Luiz Sergio, Fábio Correa dos Santos,  Musa Escola de Música, Spalla Blues e Vinicius Maranhão.  Durante três horas, houve uma grande variedade de instrumentos, que passou da guitarra, ao berimbau, do piano ao saxofone.
               O espetáculo foi bem conduzido e proporcionou um verdadeiro show de Blues. A noite foi encerrada com a banda Giberto King Juba e Guarablues, banda local compositora da música Rio Jordão Blues.


Texto e foto: Camila Germano Barp.

1.7.13

Vem para Rua Guarapuava!

No sábado, dia 24 de junho, a manifestação contra o aumento da tarifa de ônibus chegou a Guarapuava. Juntaram-se a ela outras manifestações na Rua XV com destino ao Terminal da Fonte.
Cartazes expressaram o desgosto popular quanto aos mais diversos temas, tanto regionais quanto nacionais, e mostraram que os cidadãos guarapuavanos tem direito à expressão.  Aumento no salário do professor, o dinheiro gasto com a Copa, o pouco investimento na saúde, educação e necessidades básicas dos cidadãos foram algumas das manifestações que incorporaram o manifesto. Os departamentos de História, Geografia e Arte-educação da UNICENTRO apoiaram a causa, Centros Acadêmicos, o Levante Popular da Juventude e diversas outras instituições também assinaram embaixo.
O ponto final do Ato se deu no Terminal, onde uma representante leu os pedidos populares e o local foi invadido, mesmo que pacificamente. Policiais acompanharam todo o trajeto e garantiram a segurança, tanto dos manifestantes, quanto das demais pessoas que estavam na rua naquela manha. O manifesto durou cerca de três horas e envolveu mais de sete mil participantes pelo facebook e, estima-se, duas mil pessoas na rua.

“Tem tanta coisa errada que nem cabe em um cartaz!” pode resumir a visão dos guarapuavanos que estiveram lá manifestando. Resta esperar os resultados de tal ato e que o povo não se acomode com os erros do País e que as manifestações e buscas por melhorias se tornem hábito e se incremente no “jeitinho brasileiro”.

Texto e foto: Camila Germano Barp.

 
| Design by Free WordPress Themes and Kurpias| Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes and Kurpias |