31.10.13

Día de Muertos, festa no México


No México, o dia de Finados que deveria ser de luto, tristeza e saudade é comemorado com muita festa. O evento é celebrado com música, alegria, fantasias, apresentações teatrais e caveiras bem simpáticas.
A celebração é de origem indígena e honra os defuntos desde o dia 31 de outubro até dois de novembro. Nessas datas os mexicanos acreditam que aqueles que já partiram da terra, voltam para visitar a família. 
A festividade coincide com as tradições católicas do Dia dos Fiéis Defuntos e o Dia de Todos os Santos e ganhou tanta repercussão, que hoje a festa mexicana é declarada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.


Conheça um pouco dos símbolos dessa tradição, que existe há mais de 3.000 anos:

Caveira:  As caveiras mexicanas tiveram origem na festividade. A mais conhecida é a deusa Mictecacíhuatl, lembrada como a Dama de la Muerte , atualmente relacionada com a personagem  La Catrina, do pintor, ilustrador e cartunista mexicano, José Guadalupe Posada. As caveiras do artista são cheias de vida, vestidas de gala carregavam em si mensagem sociais e políticas.



Flores: As famílias normalmente limpam e decoram as tumbas com coloridas coroas de rosas, girassóis e principalmente de margaridas, as quais acredita-se atrair e guiar as almas dos mortos. Quase todos os sepulcros são visitados.



Pan de muerto: Prato especial do Dia dos Mortos, é um pão doce enfeitado com diferentes figuras, possui diferentes formatos.


Calaveras de dulce: A maioria das caveiras doces, geralmente as de açúcar,  tem escrito o nome do morto. Os mais bem humorados também escrevem nome de vivos, para fazer piadinha com os amigos.







Balões “guiam os espíritos”: Na tradição mexicana, os balões iluminados sobem ao céu para indicar aos espíritos a rota a se seguir para conseguirem chegar às suas antigas casas para o convívio de seus familiares, bem como mostrar-lhes o caminho de retorno, após a celebração.


Oferendas e visitas: Acredita-se que as almas das crianças regressam de visita no dia 1º de novembro, e as almas dos adultos no dia dois. No caso de não poder visitar a tumba, seja porque a tumba não exista, ou a família esteja muito longe para visitá-la, também são feitos altares nas casas, onde se põe as ofertas, que podem ser pratos de comida, o pan de muerto, jarras de água, cigarros, brinquedos para as almas das crianças e algumas bebidas alcoólicas, entre elas a tequila, mezcal,  pulque e atole. Tudo isto se coloca junto com retratos dos defuntos rodeados de velas.






Por: Amanda Bastos Maciel

Fonte: viajeaqui/mochilabrasil

A Virada

A Virada Cultural de Guarapuava, que aconteceu no dia 26 deste mesmo mês, reuniu bandas locais para tornar a tarde de sábado um espaço de diversidade cultural, principalmente abrindo espaço para artistas de Guarapuava.
O Parque do Lago acolheu um grande fluxo de pessoas que se propuseram a consumir a arte da cidade. Com participação gratuita, não houve exclusão de nenhum público e todos compartilharam os gramados do lago e formaram uma plateia animada e curiosa.
A semana que antecedeu o evento (21/10 a 25/10) esteve repleta de outras atividades envolvendo a cultura, como oficinas de danças, recitais e teatros. No sábado, também houve espaço para danças e apresentações em geral, além da exposição de fotografias sobre o inverno de Guarapuava.
O evento iniciou-se as 10h e se estendeu até o mal tempo não mais permitir. Foram mais de 12 horas de conteúdo cultural gratuito, distribuído em três diferentes palcos. A Banda Mais Bonita da Cidade e Fafá de Belém, as duas atrações de fora da cidade que fechariam o festival não puderam tocar, porque o palco de suas apresentações teve a estrutura abalada pelo vento.
De qualquer forma, o evento promovido pela Secretaria do Estado da Cultura foi bem recebido pelo público e teve seus resultados positivos, pois os moradores da cidade que participaram, assim como as bandas, consideram a inciativa ótima e importante para o desenvolvimento local. Em entrevista, o prefeito Cesar Silvestre diz que a importância do evento para cidade é salientar o nosso pluralismo e promover a cultura daqui.
Aguardamos a segunda edição do evento.


30.10.13

XX Festival de Teatro da Unicentro, FETECO



Uma das manifestações artísticas mais antigas do ser humano é o teatro, para incentivar essa cultura a Unicentro e as ruas de Guarapuava serão palco do vigésimo Festival de Teatro da Unicentro, Feteco.
O evento, criado na década de 90, tem a intenção de proporcionar um instante de trocas de experiências entre os grupos de teatro locais e de outras cidades e contribuir na propagação das diferentes manifestações dessa arte.
“Acho muito importante para Guarapuava um evento como esse, nossa cidade precisa muito dessa liberdade que o teatro proporciona. Para mim, tocar pelo menos uma pessoa que esteja me assistindo, já é muito gratificante” relata a aluna da Oficina de Teatro da Unicentro, Maisa Ribeiro.
Ontem, dia 28, foi a abertura do evento, às 10h 30min desta segunda-feira a Praça 9 de Dezembro foi o palco  da apresentação do grupo Cia do Intérprete que levou as ruas guarapuavanas o espetáculo Companhia Frazão, uma comédia que encantou o público presente.
Às 19 horas, do dia 28, a Oficina de teatro da Unicentro fez uma bela apresentação no hall de entrada da Universidade, em seguida, às 19h30min, no palco do Auditório Francisco Contini, foi a vez do grupo Teatro Breque proporcionar a diversão e comoção das pessoas com a peça A vaca Pródiga, uma Trági-Comédia que faz um brincadeira com a parábola do Filho Pródigo.
“Nesse primeiro dia de Feteco o público já esteve bastante presente. A divulgação foi bem feita e esperamos atingir todos os gêneros e categorias, assim como contribuir com a cultura de Guarapuava” conta a chefe de divisão de assuntos culturais da Unicentro, Elizabete Lustoza.
Artistas locais como os da Cia Arte & Manha e do Grupo de Teatro Luz, da Apadevi, fazem parte dos espetáculos ao lado de grupos como Coletivo Miúdo, de Curitiba, e o grupo Teatro de Breque.As apresentações continuarão até segunda-feira, para quem quiser prestigiar o evento basta conferir a programação .

Texto: Amanda Bastos Maciel
Foto: Unicentro




29.10.13

A Banda Mais Bonita da Cidade

      De passagem por Guarapuava para a participação da Virada Cultural, A Banda Mais Bonita da Cidade, que por um acaso do clima acabou não se apresentando, nos concedeu uma entrevista, onde fala um pouco mais sobre sua carreira e projetos.
     A banda, que começou em 2009, em Curitiba, é composta por cinco integrantes Uyara Torrente (vocalista), Vinícius Nisi (tecladista), Rodrigo Lemos (guitarrista), Diego Plaça (baixista) e Luís Bourscheidt (baterista), leva uma batida de Indie Rock e MPB, com a proposta de valorizar compositores locais.
      Uma de suas principais canções, a música “Oração”, se tornou hit e fez enorme sucesso na internet com a gravação de seu vídeo clip, que chegou a concorrer o prêmio VMB 2011, na categoria "Webclipe".

Como aconteceu a gravação da música “Oração”, que foi a composição que impulsionou a carreira de vocês?
Nós queriamos muito gravar algumas músicas naquela época, e “Oração” era uma delas, só que já tínhamos tentado tocá-la, mas nenhuma das versões tinha ficado tão legal, porque a gente sentia que precisava de algo a mais. Ai surgiu à ideia de gravar ela em vídeo, conseguimos aquela casa, que foi especial, e acabou se tornando esse sucesso.

A banda começou em um território mais local, para depois começar a ascender nacionalmente, como vocês veem o cenário musical aqui no Paraná?
Pelo menos em Curitiba, vemos que possui uma cena bem efervescente, bem plural, digamos assim, são muitas características, a cidade não se fecha em um único estilo e é um momento bom para a música jovem.

Foi lançado há pouco tempo o novo CD da Banda, O Mais Feliz da Vida, como está sendo a repercussão?
A repercussão esta sendo muito boa, estamos bem satisfeitos com o resultado, as pessoas estão gostando e esperamos que continue com essa boa receptividade.

Como vocês decidiram qual iria ser o estilo da banda?
Eu acho que nós não decidimos isso até hoje (risos). Na verdade o norte para que a banda existisse foram às composições, pelas quais a gente avia se encantado, não sabíamos direito o que iriamos fazer com elas, cada uma foi sendo arranjada de acordo com sua necessidade. Nós não tínhamos um conceito, um estilo definido, e isso é uma coisa que ainda estamos construindo.


Por: Diana Pretto


22.10.13

Ilha do Mel



Situada na Baia de Paranaguá, a Ilha do Mel é um ponto turístico muito importante no Paraná. Dos seus 2.700 hectares, apenas 200 hectares têm permissão de uso, o restante é reserva ecológica tombada pelo Patrimônio Histórico em 1975, e desde 1982 ela é administrada pelo Instituto Ambiental do Paraná.
A chegada na Ilha é através de barcos que saem de Pontal do Sul, levando  cerca de  30min, ou de Paranaguá, 1h45min. Para passar os dias na Ilha os turistas dispõem de pousadas, que vão desde a locação do espaço para armar a barraca até quartos exclusivos de diversos tamanhos.
A Ilha do Mel tem uma doçura a mais, encanta qualquer pessoa que goste de ficar em contato com a natureza. A energia do local é tão boa que Paulão, um senhor de aproximadamente cinquenta e poucos anos, uma das “lendas” da ilha, foi cativado pelos seus encantos. Após visitar o local, Paulão, como é carinhosamente chamado pelos nativos e turistas, não quis mais voltar para Curitiba, cidade em que morava. Dono de uma vida cercada de dinheiro e luxúria, ele conta que largou sua casa, carros, empresas e uma das suas paixões, as suas Harley Davidson, para passar a morar em uma barraca com espaço para duas pessoas em um camping da Ilha.
Paulão diz que sua maior riqueza é uma boa conversa com os visitantes, dono de uma barba de mais de 40 sentimentos ele tem histórias e tanto para contar. Encontrou sua fortuna na natureza e na simplicidade, para quem quiser ter um dedo de proza com o famoso Paulão é só ir até o camping Canto da Vó.


A ilha possui  alguns pontos turísticos, entre eles está:

Farol das Conchas, para modernizar a navegação comercial brasileira o Imperador D. Pedro II ordenou, em 1870, o início das obras, realizadas por uma empresa inglesa sob a supervisão do engenheiro Zózimo Barroso. Os materiais foram importados da Escócia e foi Inaugurado em 1º de abril de 1872, localizado no alto do Morro das Conchas, pode ser avistado de quase todos os pontos da Ilha do Mel.


Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres, único monumento militar do século XVIII existente no Paraná, instalado nos contrafortes do Morro da Baleia, erguido com paredes de um metro e meio de espessura, a Fortaleza foi concluída em 23 de abril de 1769. No alto do Morro da Baleia, junto à Fortaleza, estão canhões e trincheiras de pedras. É o chamado “Labirinto dos Canhões”. Há também um mirante  com uma incrível vista panorâmica. Chega-se até lá por trilha no morro.


Gruta de Encantadas, situada na parte sul da Ilha, é o patrimônio natural mais importante da Ilha do Mel. O morro da Gruta, formado por um tipo de rocha chamado migmatito é dividido por um veio de rocha negra, o diabásio. A Gruta se formou pela ação do mar sobre o diabásio e hoje desperta a curiosidade dos que visitam a região



Texto: Amanda Bastos Maciel 
Fotos: Jaime Martini/internet

12.10.13

Virada Cultural

      Foi lançada oficialmente em Guarapuava, a Virada Cultural Paraná 2013, que acontece também em outras 11 cidades do Paraná (Londrina, Maringá, Ponta Grossa, Cascavel, Foz do Iguaçu, Toledo, Campo Mourão, Cornélio Procópio, Pato Branco, Cianorte e São José dos Pinhais) e pela primeira vez chega à nossa cidade. O evento, que acontece no dia 26 de outubro, no Parque do Lago, irá contar com diversas atrações, como espetáculos de dança, teatro, exposições de arte e apresentações musicais.
      O intuito da Virada é buscar a interação do público por meio da cultura. E como cultura e educação andam juntas, este ano o evento apresenta uma novidade: a semana de arte-educação com ações voltadas à educação no trânsito. De 21 a 26 de outubro, pedestres, motoristas e ciclistas irão ampliar conhecimentos em busca de uma convivência pacífica nas calçadas e ruas.
      A realização da Virada Cultural é uma parceria da Secretaria de Estado da Cultura e Departamento de Trânsito do Estado (Detran), e conta com o apoio do SESI-PR, SESC-PR e prefeitura Municipal de Guarapuava.

Programação

PALCO CONEXÕES
17h30 - Maxixe Machine
19h00 - Banda 350 ml
20h30 - Kingargoolas
22h00 - Viola Quebrada
23h30 - Fafá de Belém
01h00 - A Banda Mais Bonita da Cidade

PALCO FREQUÊNCIAS
10h30 - Banda Sexplose
12h30 - Sugar Kill
13h30 - Meu Amigo do Alabama
14h30 - Banda Preto Fosko
16h00 - Jeff & Binho
17h00 - Grupo Contemplação
18h00 - Manos Crew


PALCO SINTONIAS
10h00 - Banda Angel’s Som
11h00 - Marcos Bebici
12h00 - Musa
12h30 - Bruna Pacheco
13h00 - Studio de Dança La Bayadère
13h30 - Grupo Anima
14h00 - Frizzys
14h10 - Best On Crew
14h20 - Cia de Dança Magia das Ruas
14h30 - Batalha de MC’s
15h30 - Batalha de Break Dance

Por: Diana Pretto

11.10.13

Lançamento FUCA 2012

apresentação de Julia de Matos
No dia 8 desse mês, a Unicentro lançou o CD do 2º Festival da Canção. Os candidatos de 2012 têm suas interpretações e composições, finalmente, gravadas em disco.
O evento começou as 20h e terminou por volta das 22h, muitos artistas se apresentaram, fazendo da noite um agradável momento de exposição de talentos. Entre as pessoas que se apresentaram estava Vinicius Maranhão, que já virou tradição nos eventos musicais da Universidade. Ao intervalo das músicas, o público teve oportunidades de subir ao palco e cantar as faixas do CD, para ganhar uma cópia.
     Paula Fernanda representou os competidores do FUCA 2012, e cantou Casa da Mãe Joana, além dela, Daniel Ribeiro dos Passos Junior apresentou Canção da Despedida; ajudaram a plateia a recordar o evento.
      O apoio às mostras de talento musical está bem nítido na Instituição, pois o Reitor Aldo Nelson Bona está sempre presente nos FUCAS e também apresenta seus talentos, apoiando todos aqueles que têm vontade de crescer na música e cativar o público

      O CD contém 12 músicas, as seis de interpretação e seis composições que participaram da final 2012.

Texto e Foto: Camila Germano Barp

9.10.13

Skate, um estilo de vida


Não sabemos ao certo quando surgiu o skate, mas tudo indica que foi na Califórnia , nos meados dos anos 1960. Na época em que o mar não estava para onda, os surfistas pegaram as rodas de seus patins e colocaram em shapes, que basicamente eram pequenas pranchas de madeira, assim puderam surfar em terra firma.
Já no Brasil o esporte chegou entre 1965 e 1970. Alguns anos depois aconteceu no Brasil o primeiro campeonato, realizado no Primeiro Clube Federal, no Rio de Janeiro. Nesta mesma época foi inaugurada a primeira pista de skate do Brasil e da América Latina, na praça Ricardo Xavier da Silveira, em Nova Iguaçu, também no estado carioca.
Nem tudo foi glória, o skate teve suas quedas, primeiro foi abandonado por muitos, devido à falta de interesse dos fabricantes pelo esporte, muitos atletas tiveram que largar, pois os gastos eram muitos e os retornos mínimos, os poucos que restaram mantiveram em pé o estilo freestyle de andar.
Após a primeira ruína, o esporte se levantou, porém  mal sabiam os skatistas que a revista Skateboarder , que era uma das mais importantes sobre o assunto, anunciaria uma mudança de planos, começou a cobrir assuntos relacionados somente a competições de Biker’s. Foi quando se deu a segunda queda do skate, muitas pistas fecharam e muitos abandonaram o esporte, ficaram apenas os que realmente gostavam do carrinho.
Então, esses skatistas que perderam suas pistas, suas revistas e patrocínios resolveram andar na rua, usando tudo que achavam no cotidiano como obstáculos, daí surgiu o street skate , que permanece firme e forte até hoje.
A mídia abraçou a causa, grandes marcas surgiram assim como revistas, produtos, sites, programas de TV e campeonatos fixos. Hoje, grandes skatistas, entre eles brasileiros, faturam alto através de seus patrocinadores, o esporte que começou como curtição, hoje, é uma verdadeira profissão.
O skate virou um estilo de vida e inspirados nisso os alunos de jornalismo do primeiro ano da Universidade Estadual do Centro Oeste montaram um documentário do esporte em nossa cidade, Guarapuava. O conteúdo ficou interessante, vale a pena conhecer um pouco da história do skate Guarapuavano.


Por: Amanda Bastos Maciel



1.10.13

Noite Multicultural

Os cursos de línguas estrangeiras são ofertados pela Unicentro há mais 10 anos, com os idiomas inglês, espanhol, francês, alemão e italiano, atendendo tanto à comunidade acadêmica quanto ao público em geral. O curso constitui-se em uma ótima opção para formação, tendo em vista as crescentes exigências do mercado de trabalho. É voltado para todas as idades, como crianças, adolescentes, adultos e terceira idade. Além de aprender o idioma, os alunos têm a oportunidade de conhecer os costumes, as crenças e a ideologia de outros países.
      Pensando nisso, na noite de ontem, segunda-feira dia 30/09 às 19h aconteceu no Auditório Francisco Contini, o Encontro Multicultural 2013, evento realizado pela Diretoria de Extensão (Direx) da Unicentro, que contou com a participação dos professores, alunos e comunidade em geral. O evento tem como objetivo a integração e interação dos alunos e comunidade com os diferentes tipos de culturas e línguas ofertadas nos cursos. Apresentações de músicas, danças, teatros e barracas com os temas foram algumas das atrações do evento.
      Professora do curso de inglês Mabiana Camargo destaca a importância do evento, “uma noite como essa é muito importante para a integração dos alunos entre si, para prestigiar a cultura de cada língua, serve para mostrar para toda a comunidade e todo o publico que a Unicentro tem sim um curso de línguas de qualidade e um evento como esse só vem para fortalecer esse trabalho”.
      Jackson Jorvan Swiech, aluno de um dos cursos também fala sobre a influência do evento, “esse convívio com os outros alunos, com as outras culturas é uma parte muito importante do curso, a pluralidade de culturas que encontramos em uma noite como essa, nos fornece um aprendizado muito maior do que apenas a gramática restrita em uma sala de aula”.
      Noite com diversas atrações que contou ainda com a participação do inter cambista Secuna Baio Cassamá, que veio da Guinea - Bissau na África e pode falar um pouco mais sobre sua experiência de viver em outro país e também nos conta o que acha da iniciativa da Unicentro, “eu acho muito interessante esse tipo de projeto, porque de uma certa forma faz uma ligação entre diferentes povos, divulga diferentes culturas e aproxima diferentes realidades, fazendo com que as pessoas tenham outra visão sobre os diferentes tipos de cultura”.

      Projeto realizado cada vez com mais sucesso, a noite Multicultural foi aprovada por todos e a cada ano reúne mais pessoas, tanto os alunos dos cursos, quanto seus familiares e professores que buscam essa interação cultural e encontram aqui, essa oportunidade.

Por: Diana Pretto

Fotos: André Justus

 
| Design by Free WordPress Themes and Kurpias| Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes and Kurpias |