25.11.13

A Evolução da Fotografia


Quem é que não se lembra da época em quando tirar fotos era um processo trabalhoso, que demandava a logística de ter que levar o filme para a revelação e ainda ter que torcer para que aquelas fotos não saíssem queimadas?

A fotografia, assim como qualquer outra coisa no mundo, sofreu várias adaptações e mudanças com o passar dos anos, tudo para se tornar cada vez melhor e mais prática, independendo de profissionais para se conseguir bons cliques.

Segundo dados da revista INFO, a cada dois minutos registra-se mais fotos do que a humanidade já produziu durante todo o século 19! São mais de 19 trilhões de fotos já tiradas!

Até chegarmos à foto digital muitas transformações aconteceram ao longo do tempo. E a criação final não pode ser considerada obra de apenas uma pessoa. Diversos sábios e pesquisadores foram somando conceitos até chegar ao que conhecemos hoje como foto. A começar por Leonardo da Vinci por volta de 1558 quando usava a câmera escura, que foi a base da invenção da fotografia, usada para o registro de imagens. Um personagem importante foi Ângelo Sala, em 1604 descobriu que um composto prata ficava escuro quando exposto ao sol.

A fotografia é o processo de obter imagens através da ação da luz. A primeira fotografia de que há registo (a preto e branco) é de 1826 e o seu autor foi o francês Joseph Nicéphore Niépce.

O trabalho de Niépce, que para ele se chamava heliografia (gravura com a luz do sol), não se parecia em nada com as fotografias atuais. A sua fotografia de 1826 é considerada a primeira foto permanente do mundo e foi feita sobre uma placa de estanho, coberta com um derivado de petróleo chamado betume e exposta durante cerca de 8 horas à luz solar.

Nove anos mais tarde, Henry Talbot obteve os primeiros negativos e em 1839 Louis Daguerre divulgou o primeiro processo fotográfico industrial ou se quisermos o percursor da máquina fotográfica – o daguerreotipo.

A técnica foi evoluindo e em 1871 surge à fotografia instantânea que veio revolucionar por completo as expressões artísticas. Até então a pintura era o único processo capaz de imitar a realidade visível como se fosse uma imagem fotografada.

A partir de 1888 é que de fato a fotografia se popularizou surgindo empresas como a Kodak, abrindo portas para que todos pudessem tirar suas fotos com máquinas e os rolos de filme. Primeiramente surgindo em preto e branco e depois os filmes coloridos, com melhorias também na qualidade, no foco e na rapidez da revelação.

Mas a grande transformação na história da fotografia estava por vir no final do século XX com a digitalização. A foto digital superou todas as expectativas reduzindo custo, acelerando a produção, facilitando o armazenamento e visivelmente dando alta qualidade às imagens.


A fotografia digital teve seu primeiro modelo em 1975. Foi construída por Stven J. Sasson, um funcionário da Kodak. O protótipo pesava aproximadamente três quilos, a resolução era somente 0,01 megapixels. A imagem demorava 23 segundos para ser gravada numa fita cassete digital e mais 23 segundos para ser lida e transmitida numa televisão. Hoje, a fotografia digital é uma realidade.

A fotografia tirada com uma câmera digital ou determinados modelos de telefone celular, resulta em um arquivo de computador que pode ser editado, impresso, enviado por e-mail ou armazenado em websites, etc. Dispensa, assim, o processo de revelação, o que revolucionou o mundo fotográfico. 
Por: Diana Pretto

23.11.13

Vinicius Maranhão

Vinicius Maranhão é universitário e cursa o 3º ano de Publicidade e Propaganda da UNICENTRO. Sempre presente, seja como colaborador, apresentando-se ou como espectador, em eventos musicais da Universidade, Maranhão, como é chamado por seus amigos, se destaca com seu talento, músicas autorais e gosto diferenciado.
Em entrevista, o cantor diz que a música é parte muito importante de sua vida, e o acompanha desde muito cedo. Explica que é uma forma de recordar bons e maus momentos que ficam sempre marcados por alguma composição. Esse, segundo ele, é o poder da música que o conquistou.
Maranhão começou a compor justamente por essas memórias, e espera que algum dia as pessoas possam recordar-se de suas vidas com as músicas de sua autoria. É também uma forma muito pessoal de expressão.
                O seu avô foi uma de suas principais influências, como grande violonista e por tocar músicas que encantaram Vinicius. Seu irmão e amigos também o influenciaram e acordaram a sua vontade de aprender a tocar violão.
                Maranhão cresceu ouvindo Vinicius de Moraes e outros fenômenos da música brasileira, influenciado por sua avó. Mas sua família também ouvia os clássicos do rock, como Pink Floyd, por exemplo. Cheio de boas influências, o cantor começou a formar o seu repertório.

                Com três bandas, ele trabalha suas playlists com músicas autorais e covers e faz apresentações nas cidades de Londrina e Guarapuava.

14.11.13

Em algum lugar... em Guarapuava!

– O piáque que aconteceu aquele dia lá na festa?
 – Meu divino, aquele tongo véio do João se apincho no tanque do vizinho. Daí ele fico só de butuca esperando a hora certa pra apincha umas pedra ne nóis, tivemos que sair no corridão, num há de ver que o João trupicou e quebrou o braço
Credo figa, eu vi que vocês passaram na frente de casa no galeto. Nem deu tempo de eu dar uns grito pra vocês se achegarem ali em casa
– Pois é bicho do céu, daí o João quebrou o braço e lá fui junto com o caboco véio no hospital, voltei que era só a capa da gaita de tanta canseira.
– A mãe dele ficou virada no guede, mas daí no outro dia nós já achamo outro tanque pra se apincha, mas esse é lá longepra diante da casa do José.
– O caboco, quando forem lá de novo me deem um grito que me junto com vocês e se bandiamo pra lá de novo.
–Pode deixar que eu chamo, vou nessa então bicho, se falamo
Bele, falou aí

----------------------------------------------------------------------------------------------

Loca do céu, quanto tempo que eu não te vejo, anda sumida
–Menina, to esgualepada de tanto trabalhar. Não tenho tempo pra mais nada.
Credo figa, tem que tirar umas férias então
–Verdade loca, mas você já é minha chegada, apareça lá em casa. Volte meia fazemo um chimarrão comadre Maria, de o ar da graça lá você também.
– Deixe comigo que eu apareço sim
–E como que anda o casamento?
I nem me fale daquele guaramputa, peguei pô juízo aquele lá. Não sei se esse casamento vai mais pá diante
Crendios pai, é pá caba mesmo loca véia
–E as criança como que tão? Manzinho dos fiinho, faz tempo que não vejo
Meeeninaaa, mas eu vou ligeirinho pra casa, agora que você falo das crianças eu lembrei que fiz uma gambiarra no fogão e deixei os piá cuidando. Por pouco que não botaram fogo na casa e vou ter que enche de bordoada aqueles fia duma mãe.
–Tá bão comadre, apareça lá em casa qualquer dia. Pra nós bater um papo, tomar um café e fazer aquele cuque loco de bão.
–Apareço sim, até comadre.
–Se vemos por essas bandas, até.




Por: Amanda Bastos Maciel

11.11.13

Países na Copa

A Copa do Mundo de 2014 está chegando, e como aqui no Brasil, futebol também é cultura, o GorpaCult virá com uma série, que trará um pouco mais sobre cada país que participará do evento, sua cultura e como o futebol está ligada naquele país.

E para começar, o país escolhido foi a Colômbia.


A Colômbia é um país com mais de 45 milhões de habitantes que se distribuem pelos seus mais de dois milhões de quilômetros quadrados. É uma República Presidencialista, e as suas costas abarcam tanto o Oceano Pacífico como o Mar das Caraíbas, sendo um dos poucos países sul-americanos que podem dizer que tem costa de ambos os lados do território. Sua capital é Bogotá.
É um país culturalmente diverso, com pequenos hábitos que se instalaram no interior ou nas áreas mais povoadas. Teatros, museus, bibliotecas, cinemas, estão espalhados por todo o país.
Festivais de Jazz em Bogotá e Medellín, Festival de Poesia de Medellín e o Tango são algumas das atividades culturais mais marcantes nas grandes cidades.
A música tradicional colombiana deriva de uma mistura de influências africanas, europeias (especialmente espanholas), bem como das formas musicais modernas da América e das Caraíbas, como de Trinidad e Tobago, Cuba e Jamaica. É frequente referir-se, como música nacional, a cúmbia, que é a música típica nacional, mas o país tem como sua principal marca a cantora Shakira.
Por tradição, a Colômbia é marcada pela sua rica gastronomia, e pela sua oferta turística, um dos destinos mais destacados da América do Sul, um dos melhores para praticar turismo, com uma oferta cultural, mas também de lazer, que é uma das mais completas do planeta.
E se tratando de esporte, a Colômbia é um país com diversas possibilidades esportivas, tais como o mergulho,  surf ou natação no seu litoral, mas seu esporte principal, sem dúvidas, é o futebol.
Como já acontece, na maioria dos países da América Latina, o futebol é o esporte de maior destaque e credibilidade do país. Ver os jogos pela televisão é um dos passatempos nacionais mais populares, apesar de sua seleção, não ser uma marca forte ainda nesse sentido.

O título mais importante do futebol colombiano é a Copa América de 2001, jogada em seu próprio país. Obteve também um vice-campeonato em 1975, três terceiros lugares em 1987, 1993, 1995 e um quarto lugar em 2004. Na Copa do Mundo sua melhor colocação foi um 14º Lugar em 1962. E agora, depois de 16 anos sem participar do maior evento esportivo do mundo, ela esta de volta, com potencial, podendo surpreender. 

Por: Diana Pretto

6.11.13

O que a conspiração da pólvora tem a ver com o Brasil?

Em torno de 1600 a Inglaterra sofria abusos partidos do seu parlamento, como aumento de impostos, corrupção, perseguição à aqueles que não acreditavam nos mesmos princípios que os ditados pelo governo. Pela extrema força que o governo detia, o povo não tinha coragem de reagir e lutar por seus direitos e contra todas as injustiças.
Até que um dia, um velho soldado chamado Guy Fawkes juntou um pequeno grupo de amigos para levantarem-se contra o governo e a situação em que a Inglaterra estava. Fawkes era entendido de explosivos e decidiu que para acabar com a situação era necessário explodir o prédio parlamentar.
No dia 05 de novembro de 1605 a ideia seria colocada em prática. Os companheiros de Fawkes perceberam quão perigoso o ato poderia ser para os inocentes e quanta gente poderia sair acidentada e até morta e resolveram mandar avisos ao parlamento sobre o que estava por acontecer. O rei encontrou Fawkes, que foi torturado e enforcado em praça pública com a justificativa de traição. Os outros homens, dedurados pelo quase-revolucionário, também foram mortos.
O rei fez com que os ideais do revoltado fossem apagados e o povo montou versos para aclamar o feito do rei.
“Lembrai, lembrai do 5 de novembro
A pólvora, a traição e o ardil
Não sei de Nenhuma razão para que a traição da pólvora
Seja algum dia esquecida”
Um ideal é quase imortal. Depois de anos, o povo começou a perceber as novas injustiças do parlamento e Guy Fawkes renasceu na atitude das pessoas. Uma dessas atitudes, muito recente, foram os quadrinhos de Allan Moore (1982) intitulados V de Vingança. Mais tarde (2005) o autor inspiraria um filme, do mesmo nome de sua obra.
Tanto nos quadrinhos quanto no filme, o personagem principal, um anarquista com sede de justiça usa mascaras que representam Fawkes. Essa máscara acaba concentrando o ideal do anti herói inglês e justiça e poder do povo.

Nesse ano o Brasil foi palco de vários levantes contra atitudes do governo que a população julgou inadequada. Os levantes foram organizados basicamente pela internet onde a expressão “anônimo” é muito utilizada. Todos que querem comentar ou publicar coisas sem indentificação usam essa palavra como marcação. Dessa forma, a palavra se tornou uma representação de todos. A palavra sofreu o mesmo percurso do que o nome de Fawkes e a máscara. Anonymous, “anônimo” em inglês, virou uma organização para representar o povo e a organização se apresenta da seguinte forma:
"Somos uma idéia de um mundo onde a corrupcão não exista, onde a liberdade de expressão não seja apenas uma promessa, e onde as pessoas não tenham que morrer lutando por seus direitos. Não somos um grupo. Somos uma ideia de revolução."
Como Fawkes a organização atacou o sistema governamental brasileiro de forma virtual, “hackeou” alguns sites substituindo seus conteúdos com mensagens representando seus ideais. O Brasil foi para rua entre os meses de junho e julho desse ano, ocuparam o Congresso Nacional. Usando as máscaras de Fawkes adoratam os ideias de força popular e lutaram por seus direitos.

Muitos objetivos foram alcançados, muitas cidades se mobilizaram e agregaram força as manifestações das cidades maiores e alguns dos manifestos foram acatados. “O Gigante Acordou”.
Ainda há manifestações diferentes acontecendo em todo o território nacional. Na nossa cidade as atenções estão voltadas ao Passe Livre para os estudantes, por exemplo.

O ideal de Fawkes viajou no tempo, espaço e na história e foi adotado pelos brasileiros que lutam pela justiça social e pelo fim da corrupção e de muitos outros problemas relacionados ao País.


 
| Design by Free WordPress Themes and Kurpias| Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes and Kurpias |