23.5.17

Trem de Ferro, de Manuel Bandeira

O poeta Manuel Bandeira (1881-1968) nasceu na cidade do Recife, Pernambuco, no dia 19 de abril de 1886. Publicou seu primeiro livro "A Cinza das Horas", de nítida influencia Parnasiana e Simbolista, no ano de 1917.  Em 1938, é nomeado professor de Literatura do Colégio Pedro II. Em 1940 foi eleito para Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira de nº24. Manuel Carneiro de Souza Bandeira Filho faleceu no Rio de Janeiro, no dia 13 de outubro de 1968.
O poema "Trem de Ferro" foi escrito por Bandeira na década de 1930. O poema é muito conhecido, principalmente, pelas crianças, no entanto, parece que não foi escrito apenas para criança, apesar da linguagem de fácil compreensão, ele nos instiga a buscar a criança que mora dentro de nós, conduzindo-nos a uma viagem de trem. A linguagem coloquial é muito marcante no poema, tomemos como exemplo as palavras: "prendero", "canaviá", "matá", "mimbora". O uso desse tipo de linguagem valoriza a cultura nacional
Os versos fazem-nos acompanhar o andar do três, por exemplo: "Café com pão/ Café com pão/ Café com pão Virgem Maria que foi isto maquinista?". Ao lermos esse poema, temos uma imagem acústica que cria o som de um trem. O trem naquela época era muito utilizado, era o principal meio de transporte da agricultura, essencial para nossa economia. Além disso, temos aqui versos tetrassílabos, e pressupõem uma velocidade linear, e correspondente ao início de uma viagem. Nos versos seguintes, temos as palavras "muita força", que se repetem em três versos, e possuem três sílabas poéticas - Mui (1ª) / ta (2ª) / For (3ª) ça (não conta, pois é pós-tônica), o que dá a entender que o trem começa a andar mais rápido.
Neste poema, percebemos a influência do Modernismo, pois há o rompimento com as normas poéticas, versos livres e com menos rimas. Há uma buscar pela cultura popular, principalmente a nordestina. Aqui podemos citar uma cantiga antiga folclórica nordestina, denominada "Trem de Ferro": “O trem de ferro quando sai de Pernambuco vai fazendo vuco-vuco até chegar no Ceará Rebola pai, rebola mãe, rebola filha eu também sou da família também quero rebolá".
Por fim, notamos a melancolia do eu-lírico ao mencionar a saudades de sua terra e versos trissílabos continuam dando a ideia de velocidade e continuidade para a viagem, já que o poema termina com reticências.

Referências

BANDEIRA, Manuel. Bandeira de bolso: uma antologia poética. Organização e apresentação de Mara Jardim. Porto Alegre: L&PM, 2015



https://www.ebiografia.com/manuel_bandeira/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
| Design by Free WordPress Themes and Kurpias| Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes and Kurpias |